Governo de MT atende solicitação da Famato e publica decreto
Sistema Famato
SENAR
IMEA
       
Fale Conosco
 
VTN 2018
Prêmio Sistema Famato em Campo
TV Famato, informação sempre perto de você
   
 
 
26 de Fev de 2018

voltar
 
SEFAZ
Governo de MT atende solicitação da Famato e publica decreto
Secom MT
 

O governo Estado de Mato Grosso publicou no Diário Oficial do dia 19 de fevereiro o Decreto nº 1.365 que prevê a permissão, em caráter condicional e temporário, para trânsito e entrega de produtos agrícolas em local diverso do consignado no documento fiscal. A decisão atende ao requerimento da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) protocolado na Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz-MT) no dia 9 de fevereiro de 2018, assim como também das outras entidades que compõem o Fórum Agro MT. O período de vigor do decreto é de 14 de fevereiro a 31 de agosto de 2018.

 

De acordo com a gestora do Núcleo Jurídico da Famato, Elizete Ramos, antes do decreto a Sefaz estava multando os produtores rurais que estavam fazendo o transporte de máquinas de uma propriedade para outra dentro do mesmo município ou municípios contíguos, mesmo em fazendas do mesmo proprietário.

 

Agora, o produtor pessoa física ou jurídica fica autorizado a circular de uma fazenda para outra dentro ou fora do município de origem para fins de colheita, consertos ou reparos de maquinário.

 

Elizete ressaltou que o decreto autoriza o agricultor a apresentar apenas a cópia da Nota Fiscal que comprove a titularidade do bem.

 

Em muitos casos o produtor tem mais de uma fazenda, ou a mesma é dividida por estradas e, com isso, se faz necessário o deslocamento de máquinas durante o período de colheita. "Há casos de propriedades divididas por estradas e municípios. A fazenda começa no município A e termina no município B, por exemplo. E nos meses de colheitas eles têm a necessidade de aproveitar as janelas do clima para colher e durante esse deslocamento acontecia de o fiscal autuar o proprietário do bem, cobrando ICMS de 17% mais multa no valor de  50% do valor da máquina", explicou Elizete.

 

O jurídico da Famato pontuou ainda que esse trânsito interno, de maquinário próprio usado, não é uma operação tributada e o fato de o produtor não estar portando a nota fiscal original não pode ser considerado uma infração. "Não se justifica uma penalidade tão alta, sendo 17% de ICMS de 50% de multa. E levando em consideração que o momento é de colheita e o agricultor tem que aproveitar as janelas do clima e se deslocar com agilidade de um lugar para o outro. E na colheita é impossível ficar correndo atrás de burocracias, uma vez que geralmente as notas originais estão em posse de profissionais da área contábil e administradores das propriedades rurais", apontou Elizete.

 

Juridicamente, quando a autuação for lavrada, o produtor deverá apresentar defesa administrativa, pois caso contrário o mesmo irá ficar suspenso no Sistema de Conta Corrente da Sefaz e ficará impossibilitado de emitir notas e comercializar a produção. "Diante desta situação a vida fiscal fica estagnada e logo vem os prejuízos", declarou.

 

Vale ressaltar que o decreto também beneficia tanto o produtor proprietário da máquina, como o prestador de serviço. "Nesse período de colheita é muito comum o produtor que não tem maquinário suficiente contratar prestadores de serviços. Sendo assim, eles se deslocam de uma propriedade para outra para atender a demanda e conseguir fazer a colheita de mais de uma fazenda. A maioria dos produtores usam esse tipo de prestação de serviço. E nessas situações basta uma cópia da nota fiscal do bem que está em trânsito", descreveu Elizete.

 

No ofício, a Famato ainda requereu que a Sefaz reveja pontos da fiscalização que estão prejudicando produtores rurais por todo o estado como, por exemplo, em relação à cobrança do prazo de validade dos blocos de notas (AIDF); a Portaria n° 111/2016 que extingue o bloco de notas do produtor, passando a ser apenas por emissão eletrônica, fato esse que causa problemas, uma vez que em muitas fazendas não há internet. Outro ponto deficitário apontado é o sistema de informações de notas fiscais de saída e de outros documentos fiscais.

 

A Famato também questiona o Artigo 37 do RICMS que trata do diferimento do frete. A entidade pede para que as condições sejam iguais tanto para as transportadoras quanto para os produtores autônomos.

 

Em caso de dúvidas, o produtor poderá procurar a Famato.



Fonte: Ascom Famato
 

VEJA TAMBÉM
Comunicado sobre o Fethab 2
Inscrições para o 4º Prêmio Sistema Famato em Campo são prorrogadas para até 30 de agosto
Sistema Famato lamenta o falecimento do ex-presidente do SR de Poconé
Projeto do Sistema Famato viabiliza integração com instituições de pesquisa
 
Eventos
Cine Senar Brasnorte
 
Cenarium Rural
 
Galeria Multimídia
Videos
Fotos
Bom dia Senar MT - Sobre Funrural
A produção de etanol a partir do milho
MT tem potencial e visibilidade economica
 
 
       
   FWS   
 
   webmail   
 
e-Famato   
 
(65) 3928-4400
famato@famato.org.br
 
Rua Eng. Edgard Prado Arze, s/n
Centro Politico Administrativo
CEP 78.049.908 - Cuiabá-MT