Sistema Famato
SENAR
IMEA
       
Fale Conosco
 
Prorrogado prazo da Dívida Ativa da União
VTN 2018
TV Famato, informação sempre perto de você
   
 
 
14 de Nov de 2018

voltar
 
TABELAMENTO DO FRETE
Famato alerta para a nova Resolução da ANTT que fere a livre concorrência
Arquivo Famato
 

Desde que a tabela de preço mínimo do frete entrou em vigor em junho deste ano, a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) defende a inconstitucionalidade do tabelamento por ferir os princípios da livre concorrência e da livre iniciativa. Na avaliação da entidade, a tabela deve ser apenas como referência e não em caráter impositivo.

 

A Famato também apoiou a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) em uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5959, protocolada no Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 12 de junho de 2018, contra o tabelamento dos preços mínimos dos fretes rodoviários aplicados pelo governo federal. Tendo em vista a morosidade no andamento da ação, a CNA voltou a recorrer, no dia 6 de setembro, ao STF para tentar derrubar a tabela com os pisos mínimos de frete, estabelecidos pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

 

"O que não podemos é tornar uma tabela obrigatória, fazendo com que o produtor rural assuma sozinho o ônus, tendo em vista que a comercialização da safra 2018/2019 já foi fechada e com o tabelamento obrigatório o produtor teria que pagar essa conta", disse Elizete.

 

Mesmo com as várias ações e medidas cautelares protocoladas, da CNA e de tantas outras entidades do agronegócio e de outros segmentos, a ANTT publicou no Diário Oficial da União, no dia 9 de novembro, mais uma intervenção do estado, que interfere diretamente no mercado. A Resolução n° 5.833 constitui infrações e multas a contratantes de serviços de transporte rodoviário.

 

Diante disso, a Famato, alerta os produtores rurais para ficarem atentos às novas regras que já estão em vigor desde a data da publicação (09/11).

 

De acordo com a nova medida, o contratante que contratar o serviço de transporte rodoviário de cargas abaixo do piso mínimo estabelecido pela ANTT, será multado no valor de duas vezes a diferença entre o valor pago e o piso devido com base na Resolução, limitada ao mínimo de R$ 550,00 e ao máximo de R$ 10.500,00.

 

Além disso, o transportador que realizar o serviço de transporte rodoviário de cargas em valor inferior ao piso mínimo de frete definido pela ANTT será multado em R$ 550,00 (quinhentos e cinquenta reais).

 

Aqueles responsáveis por anúncios de ofertas para contratação do transporte rodoviário de carga em valor inferior ao piso mínimo de frete definido pela ANTT serão autuados em R$ 4.975,00. Já os contratantes, transportadores, responsáveis por anúncios ou outros agentes do mercado que impedirem, obstruírem ou, de qualquer forma, dificultarem o acesso às informações e aos documentos solicitados pela fiscalização para verificação da regularidade do pagamento do valor de frete a multa é de R$ 5.000,00.

 

A gestora, Elizete Ramos, reitera a posição da entidade contra qualquer tipo de tabelamento de impostos que possam prejudicar o agronegócio. Entretanto, orienta os produtores a se atentarem ao cumprimento das resoluções, evitando multas e retaliações.

 

A CNA e Famato estão acompanhando o andamento das ações e têm buscado diálogo com o STF. "Nos colocamos à disposição para o diálogo com o governo, com entidades e órgão envolvidos, na busca de uma solução que não seja o tabelamento obrigatório", disse Elizete.

 

A gestora disse ainda que o produtor rural está sendo afetado e tem tido dificuldades de escoar a produção. "Não nos resta alternativa a não ser por via judicial", apontou.

 

Ações da CNA - Na ADIN 5959, a CNA pede a suspensão da eficácia da Medida Provisória 832, editada pelo Executivo. A ADIN foi protocolada no STF no dia 12 de junho de 2018.

 

A medida cautelar foi protocolada no dia 6 de setembro de 2018, pedindo que à Corte suspenda a nova tabela, publicada no Diário Oficial da União no dia 5 de setembro, que reajusta o valor do frete em até 6,82%.

 

Técnicos da CNA calculam que, mantido o ritmo de reajustes, em um ano o tabelamento pode encarecer os custos com transporte em 30%.

 

Ainda de acordo com a CNA, para um trajeto de Sorriso (MT) até o Porto de Santos (SP), o frete subiu 51% em comparação com a primeira tabela do governo, de 30 de maio. Com isso, a alta acumulada é de 57% quando há o frete de retorno, ou seja, quando o motorista volta com o caminhão cheio. Sem o frete de retorno, quando o caminhão volta vazio, a alta passa de 193% na primeira tabela para um aumento acumulado de 204% com os novos preços.



Fonte: Ascom Famato
 

VEJA TAMBÉM
Rui Prado pede redução da concessão e da tarifa de pedágio na BR-163
 
Eventos

nenhum evento com foto
 
Cenarium Rural
 
Galeria Multimídia
Videos
Fotos
Bom dia Senar MT - Sobre Funrural
A produção de etanol a partir do milho
MT tem potencial e visibilidade economica
 
 
       
 
   webmail   
 
e-Famato   
 
(65) 3928-4400
famato@famato.org.br
 
Rua Eng. Edgard Prado Arze, s/n
Centro Politico Administrativo
CEP 78.049.908 - Cuiabá-MT